JUNDIAHYANAS

Este é reservado para uma crônica por blogueiro ou escritor, com tamanho pequeno (uns 1400 caracteres).  Envie texto ou link para contato@jundiahy.com.br


 

Uma necessária era criativa em Jundiaí

 

Em plena crise de retrocessos no peso escravocrata e patrimonialista da história do país, crescem na cidade os sinais de busca de uma renovação da dinâmica socioeconômica. Ainda são correntes paralelas, mas com grande potencial de convergência.

Por um lado, nas discussões do governo municipal, vemos o avanço de uma avaliação onde o parque tecnológico parece um horizonte mais distante e sendo substituído ou complementado a médio prazo pelo foco em 2030 e no surgimento de polos de estímulo a empreendimentos novos, os chamados start-ups.

Por outro lado, o campo da economia criativa teve em poucos dias importantes eventos no Sesc e no Senac que trouxeram informações importantes sobre essa área que há vinte anos forma um eixo de políticas públicas em países desenvolvidos. Mas que em terras brasileiras abrange desde a inovação tecnológica até a redescoberta das “artesanias”.

Como tudo na vida, essa é uma discussão política mesmo não sendo exatamente partidária. A crise econômica aumenta a disputa por recursos escassos e a cidade apresenta queda por alguns anos no percentual de valor adicionado de impostos estaduais. Grupos econômicos com influência no modelo vigente, como a indústria ou a construção, seguem com peso.

Mas também fazem parte do campo onde ocorrem esses debates, que é abrangente. Vai desde a criação nos games e em pesquisas industriais até a música, os quadrinhos ou o cinema, passando pela arquitetura, pela moda, pela gastronomia, pelo artesanato, pelo patrimônio cultural, pelo design ou pelo turismo.

Em princípio, não deveria haver dúvida sobre a busca de inovação, inclusão e sustentabilidade, podendo renovar tradições.

Nesse sentido, também poderia ser óbvio que Jundiaí tenha polos de estímulo associados a algumas de suas marcas coletivas (“city brands”) como a Serra do Japi, com um campus de ecologia, a Terra da Uva, com um campus de agronomia, ou a Jundiahy 400 Anos, com um campus de patrimônio material e imaterial.

Sabe-se que estão sendo pensados pelo menos uma dúzia desses polos, alguns associados à educação como no pedido de recursos feito ao orçamento estadual para um campus dessa área junto ao Complexo Argos, à inclusão esportiva associado aos projetos no Bolão ou mesmo na área da saúde, junto às pesquisas da Faculdade de Medicina. Uma primeira lista oficial deve ser conhecida no projeto do PPA 2018-2021, que chega à Câmara nesta semana.

O movimento pela economia criativa, entretanto, não pode ficar restrito ao campo estatal – e  não pode ser confundido com o lado negativo do jeitinho brasileiro. Trata-se de buscar um novo meio de enxergar as coisas, inclusive o ciclo de produção, distribuição, consumo e fruição de seus elementos hoje menos comerciais.

Isso já existe na cidade, desde a modelista de roupas até os profissionais de biotecnologia. O problema é que perdemos boa parte de grandes profissionais, desde artistas até especialistas tecnológicos, enquanto não desenvolvemos meios de aproveitar melhor outros, como inventores e mestres populares.

 

Esse novo equilíbrio ainda tem assimetrias entre segmentos com mais ou menos viabilidade empresarial ou social, dentro da velha e da nova economia. Um recente alerta em coluna de Pedro Luiz Passos (Natura) chama a atenção para as grandes tendências de mudança global resumidas no acrônimo MADE (Mobility, Automated Driving, Digital Experience e Eletrification), que podem tornar coisas como o petróleo algo ultrapassado em poucos anos. 

Já o filósofo Eduardo Gianetti nos lembra, no livro Trópicos Utópicos, que custos deixados de lado como o tempo da viagem entre moradia e trabalho ou uma destruição ambiental precisam ser criticados no uso do PIB.

Ao falarmos de economia criativa, sem perder de vista suas potencialidades transformadoras, não devemos esquecer que como na economia convencional ela segue dentro de uma realidade ainda complexa. Aumentar os espaços de diálogo e de empoderamento da comunidade para essa nova fase é um desafio para toda a sociedade.

 

 

 


Largo da Matriz é encontro

Rua e Ponte Torta, caminho

Largo do Chafariz era água

E a lei, Largo do Pelourinho


Largo São José era chegada

Estrada de Pirapora, a saída

Largo Santa Cruz é memória

E Ponte de Campinas é vida


São Bento cria largo e ladeira

E Largo das Rosas é a beleza

Largo dos Andradas aconchego

Companhia Paulista, certeza


Barreira na estrada de Minas

Torres Neves na de São João

Cemitério marca esta colina

Argos recebe rio com emoção


Estrada Velha vira da boiada

Monte Castelo virou esplanada

Tomanik e Segre subiram ladeira

E Bela Vista olha da cumeeira


Jundiahy é rio em luso e em tupi

E salvamos o córrego do Mato

Se nascentes foram soterradas

O Guapeva ainda brilha ali


Trajeto lindo é na rua da Palha

Imperial ou Concórdia, travessas

E caso a memória não nos falha

Vilas aquém-rios também nessa


Graff, Rio Branco, Liberdade

Até São Jorge e sua costureira

No centro histórico da cidade

A magia do caminho é certeira




Pequena poesia amadora


O rio Jundiaí

passa

por aqui


O rio Guapeva

também

me leva


O córrego do Mato

é bem mais

que um regato


Margens do grande Centro

subindo

os quatrocentos


Por ladeiras

e largos

E outras maneiras


De sonhar

De conviver

E de ser e estar


Jundiahy

Assim mesmo

Com agá e ipsiloni


Afrotupi

E orientárabe

Ou italocaipi

(ra)



 



Festa Aviatória (A ida)

J. Eduardo P. Pontes, http://www.usinadeletras.com.br

(...)

Os preparativos para o primeiro vôo a São José dos Campos foram feitos com a seriedade requerida pela importância da missão além da emoção da visita ao "Olimpo". Na véspera eu me encarreguei de preparar o avião, um
Paulistinha P-56 com potente motor Continental de 95 HP e hélice de passo fino, prefixo PP-HMU, o qual eu limpei por fora e por dentro, com o
aspirador de pó da minha mãe, além de abastecer "até a boca" e acomodar a carga que era composta de grandes pacotes com folhetos de propaganda, da festa é claro, que deveriam ser jogados em algumas cidades da rota; a missão secundária.

Madrugada da partida e lá estávamos o "Massa" e eu, vestidos a caráter com camisa branca, gravata preta e calça azul-marinho, meu antigo uniforme de colégio que se transformou em roupa de aviador, exigência do "Massa" que além da indumentária trazia debaixo do braço um enorme mapa, uma régua de plástico de uns 60 cm bem como esquadros, transferidor e, nos bolsos, lapiseira e lápis vermelho, instrumentos indispensáveis para a importante navegação.

Abordamos a aeronave e nos acomodamos, eu muito mal sentado em cima de uma camada de pacotes , com a cabeça entalada na ferragem da cabana e segurando com os cotovelos a pilha de pacotes no bagageiro sem poder amarrar o cinto de segurança quando ouço o "Massa" dizer - " Livre !!!"- ao mesmo tempo que percebemos que não há ninguém para dar hélice e eu tenho que descer para a tarefa. Voltando para dentro me acomodo pior ainda, com os pacotes se espalhando, e lá vamos nós .

Proa de Agudos, nosso primeiro alvo, e logo descemos fazendo uma
passagem bem sobre a praça principal, à altura de “meia torre”, quando eu começo a atirar os maços de folhetos lutando contra o vento e as manobras do "Massa" para desviar da igreja voando tão baixo que parecia ter a idéia de que eu ia entregar os folhetos nas mãos das pessoas que olhavam para cima com curiosidade e algum espanto.

Mais umas passagens e eu disse para o "Massa” prosseguir para Lençóis
enquanto eu tentava dar um pouco de ordem no bagageiro e no meu banco. Pouco tempo depois olhando no horizonte vejo Bauru (?), aviso o "Massa" que imediatamente inicia uma curva e diz com sabedoria - " Eu estava checando..." - e assim continuamos passando por São Manoel, Botucatu, e outras até que em Piracicaba acabaram-se os folhetos e iniciamos a navegação propriamente dita tomando a proa mais provável para Campinas.

Avião estabilizado no céu azul da manhã com o sol forte na frente e uma
porção de cidades no horizonte das quais o "Massa" escolhe uma e apontando diz - " Campinas na proa..." - e assim continuamos apreciando a paisagem em direção à grande cidade da qual vamos nos aproximando para sobrevoar com precisão a estação ferroviária com sua esplanada de trilhos e o grande armazém em cujo telhado estava escrito Jundiahy acompanhado de uma seta e a inscrição 6km.


(...)


Groovy´s Virtual

Cristiane Gozzo - http://tatianafavaro.com.br/blog/?p=67


Meu nome é Cristiane. Nasci em 24/04/64. Perceberam quantos números 4? Esse número me lembra quatrilho, dois pares perfeitos ou então um quadrado com seus quatro lados iguaizinhos… Enfim, pensando nisso tudo me lembrei que a vida não é perfeita, não é um quadrado ou não é redondinha para quem preferir, como um círculo perfeito.

Uma ideia puxa outra. É de ideias e palavras que vivem e sobrevivem os escritores e, deixando a matemática e a geometria de lado, me considero uma escritora. Ou melhor, alguém que brinca com a língua escrita, amada língua portuguesa. Deus salve Camões e Pessoa! Quem sou eu perante tais gênios? Mas continuarei humildemente rabiscando palavras, juntando pontos (adoro reticências), costurando versos, contando histórias, lendo e relendo Machado e Clarice…

Voltando ao primeiro parágrafo, onde geralmente se localiza o tópico frasal (rsrsrs), a vida não é perfeita nem eu. Nasci no ano de uma revolução. Ano passado escrevi uma carta para meu filho André me desculpando por não ter conseguido realizar a tão sonhada revolução que a minha geração ainda acreditava ser possível, queria tanto um país melhor para o meu e para todos os filhos desta nação.

Em 1982 eu fazia parte da Convergência Socialista. Saíamos às ruas gritando que as Ilhas Malvinas não eram inglesas e sim argentinas, admirávamos Cuba, tínhamos camisetas e fotos de Che. Foi nesse mesmo ano que participei da fundação do PT em Jundiaí, um partido que nasceu “rachado” com dois candidatos, um médico “burguesinho”, adorávamos esse termo, e um operário metalúrgico, claro… Foi um fiasco, mas isso é outra história.

O que conta é que conheci pessoas bem legais como Erazê, Galvão, Arnaldo, Mané Melato, Guttemberg, Drácula, Décio, Marcão, Reinaldo, Bita, Venâncio, Casca, Rato, Sandra, Edna, Celinha, Roberto de Santis, Gariba, Maurício, Gentil e mais três pessoas que eu gostava de modo especial e que hoje estão no céu: Geraldo Coelho, José Henrique e nosso querido Chocolate. Nem todos pertenciam ao partido, mas o ponto de encontro era o mesmo bar, o Groovy’s, em frente à Praça Rui Barbosa. Seu proprietário era o Portuga. Era uma mistura: jornalistas, intelectuais, bichos grilo, músicos e vagabundos, no bom sentido.

Vocês devem estar se perguntando: o que essa louca quer com esse megatexto? Simples, gostaria que me conhecessem um pouquinho e também convidar todos aqueles que em algum momento na vida frequentaram esse momento político, esse boteco, que entrassem em contato comigo através do blog para um futuro reencontro. Um brinde!

 

 

Bruno Latour -A Cidade Virtual

A legenda não adere mais às imagens. A Paris virtual se separa há tempos da Paris real. É hora de atualizarmos nossas imagens. (...) A economia é menos vasta que o céu, ao menos se cremos em seus profetas que a tratam como o horizonte intransponível de nosso tempo.



Leitura Digital

Ricardo Giasseti (com Danilo Corci) - http://www.mojobooks.com.br/blog

Cada vez que vejo os noticiários sobre literatura digital, mais percebo que a discussão anda dando voltas nela mesmo. Por conta do lançamento do novo Kindle, voltou à pauta a história do “leitor digital vai substituir o livro de papel”.

Particularmente, esta discussão está no mesmo patamar das polêmicas sobre se foi mesmo ou não aquele pênalti que o juiz marcou aos 40 minutos do segundo tempo. Gostem ou não os puristas, assim que o mercado achar o modelo correto para ganhar dinheiro em cima, os livros serão mais digitais do que de papel, restando a este último um nicho de mercado que pode ser muito bem explorados - basta pensar nos preços de um vinil hoje em dia.

Entretanto, a questão mais importante é realmente a omissão dos próprios escritores. Talvez o suporte físico ainda anime mais os escrivinhadores que, necessariamente, tendem a diminuir o valor de uma obra digital. Boa parte apenas mascara o óbvio: a falta de iniciativa para fazer algo realmente diferente. A literatura digital hoje ainda é um mero simulacro da literatura feita em papel - começo, meio, fim, história linear ou não, “estilos” variados, brincadeiras de linguagens e ponto. Poucos sabem explorar a potencialidade do suporte digital. Na própria MOJO apenas Juliana Fees, que escreveu Extraordinary machine, baseado no álbum da Fiona Apple, fez uma tímida incursão no vai pra lá e pra cá que o digital permite terminando seu livro em um post de blog.

Raríssimos escritores brasileiros tentam ir numa linha de Joe Davis, por exemplo (http://www.telescopictext.com), evidenciando que, como já se sabe por aí, a literatura nacional tem muito mais de ego e autosuficiência do que uma exploração artística ou inquietante.

Dito isso, está na hora de deixar de lado a briga entre digital e papel e pensar, seriamente, no que o ambiente digital pode trazer de experiências literárias que quebrem paradigmas, que desafiem de verdade.



Só de Vermelho
Zé de sobrenome Forner - http://quandoacabar-omalucosoueu.blogspot.com

O Campari levado à boca num copo largo.
O fundo é branco. Cor do guardanapo que a transparência do copo me revela.

Solitário na mesa, encontro companhia em mesas alheias. Gente solitária, encontrando companhia em minha solidão sentada em cadeiras vermelhas.

Uma pausa para misturar o gelo no Campari, que é vermelho também.

Zambelli no violão, dedilha respeito de história.
Respeito de homem honesto com gravata vermelha, que abre uma porta e sempre a mantém aberta.
Aberta para luz.

A "menina do pandeiro",com seus 72 anos de largo sorriso, dá ritmo ao bar.
Coloca artesanato nos ouvidos dos solitários.
E no pulso das mãos que acompanham cantores de botecos está amarrada a fita de Nosso Senhor do Bonfim.
Fita vermelha.

E nas alturas da observação, a solidão amolece. Encontra sentido e gratidão da melancolia ser tão amena e com cor.

A música escolhida para terminar a noite é do sábio e velho Robertão. Aquela que pede para Nossa Senhora estender a mão.

Os solitários se unem num coro e, entre mesas vermelhas e grades da mesma cor, pelo menos por uma canção deixam de ser sozinhos.

Fica aqui a minha prece.



Galeria de Insane
- http://www.flickr.com/photos/insaneone






SERRA QUERIDA

                                 Sônia Cintra

 Soberana na paisagem

que antecede as campinas

és um raio de arco-íris

pousado para sempre

no horizonte desta terra

 

A teus pés vem o sol

todos os dias se pôr

contornas um céu

que nossos olhos ergue

em busca de esperança

 

Mata Atlântica que vela

o azul da atmosfera

das gentes e das eras

guardiã de Jundiaí

verde Serra do Japi



Nômade

Carlos Orsi Martinho, escritor de ficção científica - http://www.scribd.com/share/upload/11347640/1r66s48qi6tbo23cqldz

Nômade tem uma história engraçada: o livro nasceu de uma encomenda estilo “contrato de risco” de uma importante editora do ramo de livros juvenis. Basicamente, perguntaram-me se eu topava escrever um romance para jovens sem compromisso, submeter a eles e, se gostassem, o livro saía. Resumindo: escrevi. Submeti. Gostaram mais ou menos. Reescrevi. Gostaram pra valer. Não saiu.

Por quê? Não faço a menor idéia. O que sei é que passei a maior parte da presente década esperando que alguém na tal editora batesse o martelo, me apresentasse um contrato, fizesse alguma coisa. Depois de tanto tempo, até uma rejeição, tipo, “desculpe, mas o funcionário que deu aprovação inicial a seu livro foi diagnosticado com esquizofrenia, jamais publicaríamos um lixo desses”, teria sido bem-vinda.

Mas, bolas, para quê tratar escritores com cortesia e consideração, não é mesmo? Eles se vendem por aí, como diz o provérbio americano, por dez centavos a dúzia.

Então, o que pretendo ao lançar Nômade como um livro eletrônico grátis? Eu poderia responder dizendo que faço isso para exorcizar o fetiche do papel, que este livro representa meu grito de liberdade em relação às velhas mídias ultrapassadas que dependem de tinta e árvores mortas para subsistir. Mas estaria mentindo. Meu objetivo secreto, com este livro, é fazer tanto sucesso, mas tanto sucesso, que seja lá quem for o gênio que bloqueou a publicação lá naquela editora termine seus dias em desonra, opróbio e ostracismo, passando frio e fome e vendendo DVDs piratas na Praça da Sé.

Como conseguir o objetivo secreto é um pouco difícil, reconheço, meu objetivo expresso é, simplesmente, completar o parto iniciado tantos anos atrás. Cada escritor tem seu jeito, suponho, mas eu sou um maníaco da publicação: saber que tenho um texto acabado na gaveta é algo que me dói quase tanto quanto ter uma batata quente nas mãos.

Nestes quase 18 anos como escritor profissional (recebi meu primeiro cheque por uma obra de ficção em 1992) uma coisa que aprendi é que sou um péssimo vendedor: não adianta eu bancar uma tiragem e pôr a banquinha na rua, o livro vai encalhar, independentemente de seus méritos. A incapacidade psicológica de pedir dinheiro aos outros é um dos fantasmas que assombram minha vida. Então, por que não simplesmente soltar o livro no mundo? Parece ser a solução lógica.

Outra coisa que aprendi nestes 18 anos é que os textos têm um jeito de achar seus próprios caminhos. Dia desses, dando uma busca por meus próprios títulos no Google (narcisista! narcisista!) achei o blog de uma menina que cita minha primeira coletânea de contos, Medo, Mistério e Morte, como um de seus livros favoritos. Essa moça provavelmente nem tinha nascido quando os primeiros contos daquele livro foram escritos.

Então, aqui está Nômade. Talvez um dia ele venha a ser o livro favorito de alguém que não nasceu ainda. Não é um castelo na França, uma vaga na Academia ou um fim de semana na Ilha de Caras, mas acho que dá para o gasto.



poesia
O papel ainda permite à poesia gritar na praça...


Hino ao Aniversário

Da escritora Valquíria G. Malagodi (musicada por Renata Iacovino) - http://www.valquiriamalagoli.com.br

Trezentos e cinqüenta anos!

Por tuas veias vai sangue;

não sofreste quaisquer danos,

e nem te tornaste exangue.

Como exército marchando

tu segues alimentando

tua gente, terra amada!

 

Há lendas, em teu passado,

que assombravam os viajantes.

Foste caminho arriscado

para bravos bandeirantes

com medos imaginários:

monstros, fenômenos vários...

- Que mitológica estrada!

 

Foste a “porta do sertão”,

pois apelidada assim,

abriste não só o botão

da esperança, mas enfim

novos e urgentes caminhos...

Dás semente, nutres ninhos

e multiplicas ninhadas.

 

Sentiria cá chegando,

quem te viu virgem, senhora,

o bom perfume passeando

dos teus filhos – tua flora!

Ainda ecoa pelos ares,

em nossos corpos (altares!),

tua memória guardada...

 

Vê-se orgulho nos semblantes

dos que aqui nascem ou moram;

na bandeira, os verdejantes

campos abençoados oram...

- Com vinhos de tuas uvas,

Jundiaí, dou graça às chuvas

e a ti brindo, terra amada!




Outono no Japi
Patrícia Polli -
http://www.ecosdojapi.blogspot.com

borboletavitral

                                                                                 borboleta vitral

Tangendo pensamentos juntamente com o tempo, que conflui para o solstício, desperto sensações que resgatam o equinócio, luz sempre nos caminhos em iguais proporções, mesmo com os dias mais escuros, visitas noturnas mais longas, pois mesmo no solcístio, as estrelas abrilhantam o céu, as estações e o tempo.

Nessa estação a natureza começa poupar seus esforços, já sentem a pequena distância do Sol, a míngua do dia, sinais de redução energética e adaptação a novas circunstâncias.

No Japi, nosso conjunto florístico denominado como Floresta Mesófila Semidecídua, tem por característica: vegetação de porte médio a alto, com dossel fechado e subosque denso, uma transição de florestas litorâneas com o cerrado.

É nessa época que o Japi faz jus a sua nomenclatura MESÓFILA SEMIDECÍDUA, e contribui acentuadamente para a dinâmica da floresta, pois seus indivíduos necessitando poupar nutrientes, retira-os das folhas, concentrando-os no caule, assim as folhas ressecam e caem, sendo depositadas no solo (serrapilheira) e decompostas por fungos e bactérias, retornando como nutrientes. A perfeita reciclagem natural da matéria orgânica.

Outono, estação que demarca a decadência e que nutre a colheita, pois é época de preparação para a próxima fria e hibernante estação, o inverno.

As belas habitantes da nossa preciosa Serra do Japi estão iniciando este ciclo, desprendendo-se parcialmente ou integralmente de suas folhas, folhas que já não fazem sentindo adornar seus ramos, mas que alimentarão o solo.

A sábia experimentação que veicula percepções é que as árvores armazenam somente o necessário, suficiente para mais uma passagem em suas vidas.



Esta viagem sonora criada por adolescentes de Jundiahy:

radioprotesto2


Liderar Democraticamente

José Renato Polli - educador

Numa cultura em que impera uma visão paternalista, liderar democraticamente não é tarefa das mais fáceis. Acostumados a esperar decisões unilaterais e "eficazes" das lideranças, os liderados, muitas vezes, ou se acomodam em seus particularismos, esperando atendimento, ou se desresponsabilizam pela sua tarefa de ajudar a consolidar ambientes democráticos.

As críticas, tão necessárias ao ambiente coletivo, ainda não são feitas tendo em vista o interesse do todo e é mais fácil pegar a liderança para Cristo. As inquietações humanas quanto ao trato com a autonomia deslegitimam o poder democrático, na medida em que o outro é visto como único responsável pelo sucesso ou insucesso dos projetos que são desenvolvidos nas organizações. E também pelo atendimento a interesses pessoais.

Numa sociedade marcada por relações verticais, sofrida com os anos de cultura autoritária, construir autonomia participativa e renegar o paternalismo ainda se constitui como um grande desafio. Ser autônomo, num mundo marcado pelo clima de centralismo decisionista, principalmente a partir da fragilidade das autoridades, tornou-se ambição de segundo plano.

Os pais fazem tudo pelos seus filhos, inclusive acobertam seus poderes de decisão, gerando desde a família, uma relação inversa de autoridade, em que pesa mais o choro dos que comandam (os filhos) que a legitimidade do poder dos adultos.

Nas organizações, quando da construção de alternativas de gestão pautadas no diálogo e na transparência, emergem insatisfações motivadas pela influência do paternalismo. Se não há soluções imediatas para problemas de ordem pessoal ou coletiva, a grande vitrine da liderança sempre estará na berlinda. Em muitos casos, a fidelidade ao projeto e às pessoas fica em segundo plano, além da compreensão que decisões coletivas demoram e não caem do céu, como desejam os afoitos. As crianças grandes ainda teimam em considerar que devem decidir pelos pais, vistos como vítimas da indecisão e da ineficiência.

Outro problema que afeta sobremaneira o ambiente de gestão é o da mania de comparações. As pessoas julgam e categorizam envolvimentos com o projeto a partir de seus referenciais sobre o que é melhor para o grupo. Desta forma, se isolam do coletivo e não conseguem se colocar democraticamente, sujeitas a criticar e a receber críticas. A possibilidade da fala enseja também da crítica. E tem também a autocrítica, categoria ainda mais esquecida.

(o autor é diretor do Colégio Paulo Freire e o artigo foi publicado no Jornal de Jundiaí em 01/07/09)



Virar a cabeça em busca da batida perfeita
Márcio Ferrazzo - http://marcioferrazzo.blogspot.com

Não via a hora de virar do sábado para o domingo com Marcelo D2, que se apresentou à meia noite pela Virada Cultural de Jundiaí. Ele chegou a ser preso acusado de apologia à maconha e hoje mostra que sua maior defesa é a da música como manifestação social sem fronteiras e preconceitos: já gravou com figuras da velha guarda como João Donato e juntou samba com rap em busca da batida perfeita.

Desabafo, seu sucesso atual, merece tocar também nas conferências sobre segurança pública que acontecem neste ano no país:

"(...) Ok, então vamo lá, diz: tu quer a paz, eu quero também, Mas o estado não tem direito de matar ninguém. Aqui não tem pena de morte mas segue o pensamento. O desejo de matar de um capitão Nascimento. Que, sem treinamento, se mostra incompetente. O cidadão por outro lado se diz, impotente, mas a impotência não é uma escolha também? De assumir a própria responsabilidade, hein?”


Também já fui papagaio da direita
André Lux -
http://tudo-em-cima.blogspot.com

Sempre fui cercado por parentes e amigos que, mesmo sendo honestos e trabalhadores, não tinham a visão crítica necessária para compreender como as coisas funcionavam. Meus familiares limitavam-se a repetir o que ouviam, liam e viam na mídia, especialmente na rede Globo, nas revistonas e nos jornalões (que apoiaram o golpe militar, embora hoje finjam que não). Assim tinham medo de comunistas, pois diziam que comiam criancinhas e dividiam a casa das pessoas ao meio (o fato de não termos imóvel próprio não parecia contradizer esse receio), achavam que Che Guevara era um “baderneiro profissional” (ser pago para fazer baderna, isso é que é profissão!), acreditavam que o Brasil tinha tantos problemas “porque pobre não gosta de trabalhar” (usar o salário mensal só para pagar contas e cobrir o rombo no cheque especial, imaginavam, não era coisa de pobre) e por aí vai.

Nem preciso dizer que, obviamente, eu também repetia tudo isso e acreditava no que estava falando, mesmo sem ter o menor embasamento teórico ou prático para tanto. Minha vida escolar foi uma piada. Estudei em colégio particular (de freiras!) do maternal ao ensino médio. Para se ter uma idéia do desastre que isso significa, nasci em 1971 e cheguei até o final da minha fase educacional básica sem nem saber que vivíamos sob um regime ditatorial ilegal e imoral.

 

A apatia política

Cris Pironi - http://cogitoergosumcris.blogspot.com

Em nossa entrevista à Rádio Cidade de Jundiaí apresentamos os resultados obtidos na pesquisa “Jundiaí – Cenário político após as eleições municipais de 2008” (Hegemon). Sem dúvida, um dos dados que mais geraram debate foi o referente ao grau de conhecimento da população jundiaiense em relação ao seu prefeito: quando perguntamos se o entrevistado sabia quem era o prefeito da cidade, 11,8% respondeu quem não sabia.

Podemos interpretar este número como sendo fruto da apatia política que vem atingindo os regimes políticos do mundo inteiro. Em países onde o voto é facultativo, tem havido uma queda no índice de comparecimento do eleitorado à eleição (existindo, porém, exceções como a eleição de Barack Obama em 2008, que mobilizou 64,1% dos leitores, um recorde apenas comparado ao observado na eleição presidencial de 1960, quando 63,1% do eleitorado foi às urnas e elegeu John Kennedy o líder máximo da nação norte americana). No caso do Brasil, em que o voto é obrigatório, o que observamos é um número cada vez maior de pessoas que votam e, no ano seguinte, sequer se lembram em quem votaram.

A apatia política pode estar relacionada aos altos níveis de corrupção de um país ou unidade nacional, que tende a fazer com que o eleitorado sinta-se incapaz de interferir, de fato, nas questões políticas, o que faz com que o custo de se votar conscientemente (lembrando que o custo da busca de informação para que se proceda um voto, de fato, informado, é bastante alto); ao distanciamento dos partidos políticos de suas bases, ou seja, dos cidadãos, fazendo com que os partidos pareçam apenas siglas sem qualquer identificação mais consistente; à escolha por não participar da vida política, escolha esta baseada no direito liberal de se escolher qual a melhor maneira de se levar a vida, enfim, a apatia política pode ter várias causas, muitas vezes, associadas.

Como combatê-la de maneira eficaz tem sido um dos objetos de estudo de cientistas políticos do mundo inteiro.


O Tempo

Breno - http://www.brenovocal.blogspot.com

O sol brilha na janela de quem deixa as cortinas abertas, franze o rosto de quem viu a lua dormir e o sol acordar.

O tempo acelera para quem conta o tempo, para quem se preocupa com a hora de comer, a hora de sorrir e a hora de deitar.

A vida escraviza quem teme suas ações e quem não vive suas emoções!


Overdose de Cultura

Família Ballas - http://overdosedecultura.blogspot.com



Empregos verdes

Marina Silva (do Portal Terra) - http://marinasilvapresidente.ning.com

Hoje temos três grandes variáveis a equacionar em escala mundial: o aquecimento global, a crise econômica e a falta de emprego. A melhor estratégia seria projetarmos o futuro unindo esses três problemas, pois na verdade não há mais como andarem separados. O único caminho para o futuro é o da economia verde, que contemple um desenvolvimento sustentável, gerando emprego e renda ao mesmo tempo que remodela as estruturas que hoje exaurem os recursos naturais do planeta. Entretanto, iniciativas e políticas públicas vêm sendo adotadas em compasso muito lento, quando não dão marcha-ré.

O estudo "Empregos verdes: trabalho decente em um mundo sustentável e com baixas emissões de carbono", da Organização Internacional do Trabalho (OIT) trata desse assunto, relacionando empregos verdes à redução dos impactos ambientais e à sustentabilidade. Eles estão em praticamente todas as áreas, como construção civil, energias renováveis, agricultura, indústria e também em serviços, a exemplo do turismo.

De acordo com o estudo, apresentado em setembro do ano passado, cerca de 1,5 milhão de brasileiros estão em atividades dessa natureza. Destes, 500 mil trabalham com energias renováveis, 500 mil com reciclagem e o restante em reflorestamento, construções sustentáveis e saneamento, entre outros. Sendo que os setores apontados como mais promissores são reciclagem e biocombustíveis.

Paulo Sérgio Moçouçah, coordenador do Programa de Trabalho Decente e Empregos Verdes da OIT no Brasil, afirma que as tecnologias verdes tendem a empregar mais do que as tradicionais. Segundo ele, manter o aquecimento global controlado até 2050 exigirá o equivalente a 1% do PIB mundial por ano. Isso pode significar dois bilhões de pessoas empregadas em atividades sustentáveis no mundo até lá.

Surpreendentemente, combater o aquecimento global, ao contrário do que dizem os críticos, pode gerar mais empregos do que suprimí-los. Isto derruba o argumento imediatista de que a máquina simplesmente precisa trabalhar a todo vapor, sob pena de o mundo mergulhar em retração econômica e pobreza. Os ambientalistas, assim, estão muito mais conectados com a ideia de desenvolvimento econômico do que se possa imaginar. Preservar e gerar riqueza são verbos que caminham juntos.

Recentemente o presidente americano Barack Obama anunciou um programa interno de ajuda econômica que prevê mais de 50 bilhões de dólares para estimular a criação de empregos verdes e a geração de energia limpa, com limites mais rígidos para a emissão de gases poluentes por parte da indústria automobilística.

O governo inglês também vem se direcionando para este caminho. O primeiro-ministro Gordon Brown anunciou que boa parte dos incentivos liberados para reaquecer a economia serão destinados aos empregos verdes. A meta imediata é de 400 mil postos de trabalho verdes.

E o Brasil? Está flagrantemente atrasado nos esforços para expandir a economia verde. Não me canso de dizer que temos condições privilegiadas para avançar nesse rumo, sendo detentores, como somos, de excepcional biodiversidade, combinada com características de diversidade cultural e social. Mas para utilizar esses trunfos é preciso pensamento estratégico. Não basta apenas ter olhos para o crescimento do PIB. Ele não mede tudo o que é necessário fazer convergir para atingir o objetivo do desenvolvimento sustentável. Sair do economicismo rígido e pernicioso é praticamente um pré-requisito para começar a entender a potencialidade da economia verde.

Temos capacidade técnica e institucional, além de uma sociedade atenta e disposta a dar a sua contribuição. Esses são os elementos necessários para a construção de políticas públicas consistentes, dentro dos princípios da sustentabilidade. E, sempre é bom lembrar, o bonde (ou o trem-bala, para atualizar o dito) da história está passando e, de maneira muito preocupante, o Brasil parece não perceber a gravidade de perdê-lo.



SNOB

Marcos Jorge Dias - poesia acreana do livro Face Oculta (Editora Xapuri) enviado para o site Jundiahy

"Aos viciados em grifes,
endividados por marcas,
consumidores de enlatados baratos
que sonham com escargot.

A eles minha piedade,
pela pequenez do olhar superior
pelo título de pseudo-doutor
e a submissa mediocridade.

Quando as coroas de flores
murcharem sobre o caixão
não haverá grife, marca ou título
que os diferencie na podridão."



INVERSOS

José Arnaldo de Oliveira - http://sincronic.zip.net

O rio é uma avenida dos peixes
A avenida é um rio de carros
A nuvem é uma água do ar
A água é uma nuvem da sede
O rodapé é o link do livro
O link é o rodapé da tela
O banheiro é o trono do humilde
O trono é o banheiro do arrogante
O escuro é a luz do cego
A luz é o escuro do amante
A consciência é a natureza da vida
A vida é a natureza da consciência
O meio não é equilíbrio do torto
O torto busca o equilíbrio por outros meios.          
                                                                            

On The Town

Marshal Berman - http://www.nytimes.com/2006/05/14/books/review/14dunlap.html

(...)

Berman tends to wander far afield when examining how the square has been depicted in art. And he is sometimes loose with facts, even misspelling the place on 42nd Street where his father worked (the Bush, not Busch, building). Still, he also makes sharp points along the way, relishing the duality of Times Square, whose seductive ambience enticed people "to 'cross the lines' — to make moves across whatever ethnic, racial, class or sexual barriers mark their lives."

That spirit reached its height during the celebration of victory over Japan in August 1945, when the photographer Alfred Eisenstaedt captured a sailor and a nurse in an innocently wanton embrace in the middle of Broadway. Berman says this picture, seen nationally in Life magazine (and today a photographic cliché), proclaimed Times Square a modern agora and the embrace of strangers a democratic sacrament: "Man and woman, black and white, land and sea, war and peace, aggression and nurturing, yin and yang."

He has little affection for the period that followed, a time of "spiritual collapse." Teaching at the Graduate Center of the City University of New York, then on West 42nd Street, Berman was sometimes called on to escort women students to subway stations or the bus terminal by detouring around the 42nd Street strip known as "the deuce." "Women in the 1970's came to feel not just excluded, but directly menaced by this block," he recalls. "Sexual segregation and aggression enveloped a public space that for generations had been an oasis of integration, in a neighborhood where the spectacle of the crowd was the street's big thrill. This was a disaster for the city."

If we don't recognize that reality, Berman says, then "we won't grasp the forces that finally blew the deuce away." He has imagination enough not to reflexively denounce the squeaky-clean crossroads that resulted. "I find today's square's exploding lights and multicultural crowds as hot and sexy as any I've ever known," he writes.

Yet he discerns a danger just as fundamental, though more subtle, than the lawlessness of the 1970's. While taking notes in front of the new Reuters Building, he was accosted by a security guard who told him he could not stand there — at Broadway and 42nd Street, of all places. "What has made Times Square special for a century is that, to a remarkable extent, it really did belong to everybody," he says. The question is whether the agora, though crowded and glowing again, can survive corporate proprietorship.

Berman concludes by offering little more counsel than the words of a Beastie Boys song: "You gotta fight for your right to party." It's one of the few times in the book you wish he had said more.

(David W. Dunlap is a reporter at The New York Times and the author of "On Broadway: A Journey Uptown Over Time.")



ARQUIVOS 2010



Vila Argos e o histórico desdém da Prefeitura

- por Pedro Bigardi*

Acompanho com interesse o debate sobre o futuro da Vila Argos, assunto este evidenciado pelo jornal Bom Dia há pouco tempo. O motivo está relacionado com as questões urbanísticas que envolvem o local - até porque a preservação ou revitalização de uma vila operária e de suas raízes históricas no município é algo que precisa ser considerado.

Um parque linear ao longo do Rio Guapeva, reconstituindo parte da mata ciliar, também é um fato relevante, especialmente em tempos ‘modernos’ onde as vegetações ciliares dão lugar aos gabiões (caixas de pedra), concretos e outras formas de canalização de rios. Se não bastassem estas questões citadas, há ainda um desejo pessoal de ver toda a área que envolve a Ponte Torta ganhando vida e beleza. É triste ver esta região onde passei minha vida com ares de abandono e desprezo por parte da Prefeitura de Jundiaí.

Mas o que mais me intriga nesta discussão sobre a Vila Argos é o fenômeno que ocorre em todas as ações da Prefeitura: os projetos são elaborados à margem dos interesses da própria comunidade, como se a indenização dos imóveis desapropriados fosse a única relação possível de ser estabelecida entre o poder público municipal e o cidadão. É muito pouco.

Em recente reunião com os moradores daquela região, a Prefeitura informou que apenas existem estudos sem qualquer definição do que será feito no local e, por consequência, quem será atingido pelas desapropriações.

Ora! Em qualquer governo minimamente democrático, os cidadãos opinam sobre o seu futuro e o de sua cidade. Aqui, não. Em governos cinzentos e obscuros, os interesses da maioria nem sempre são respeitados.

As pessoas têm o direito de participar da elaboração dos projetos ou, no mínimo, ter conhecimento deles para opinar contra ou a favor. Em uma recente entrevista, o prefeito disse que gostaria de uma cidade “com menos prédios e mais parques”. Todos nós queremos participar deste processo de elaboração, senão apenas os interesses de alguns falarão mais alto.

*Pedro Bigardi é engenheiro civil, professor de planejamento ambiental e deputado estadual (eleito)



NOTA:

O presidente da Câmara Municipal, José Galvão BragaCapos, (o "Tico"), publicou artigo no jornal BOM DIA, onde esse artigo foi publicado originalmente (esta cópia é do blog do próprio deputado) chamando a acusação de Bigardi de "oposição automática e atrasada" e citou outro artigo, de Jayme Martins, que relacionava as ideias do prefeito Miguel Haddad do conceito de "Jundiaí do futuro" com as conclusões de 200 cidades reunidas na Expo Xangai.  

Na opinião deste site, as críticas do deputado são coerentes porque a Prefeitura de Jundiaí preserva suas disputas internas, mas elas são visíveis. Parece haver uma pressão intensa para que parte da vila operária ou da margem sobrevivente do rio Guapeva sejam sacrificados ao todo-poderoso automóvel. E isso não é apenas uma decisão técnica, mas uma decisão política e a cobrança de mais participação no processo de tomada de decisões é positiva.

Cabe lembrar que o prefeito e seu secretariado possuem mecanismos de ouvir os moradores da cidade com cafés da manhã e passeios cívicos em dois dias diferentes a cada semana, sem contar as periódicas reuniões nos bairros. Mas não é um processo como multiplicar "oficinas do futuro" pela cidade, porque não há diálogo entre os participantes na hora, mas destes com o poder público. Já é alguma coisa, mas dá pra inovar mais.

Falando nisso, contesto aqui o governo na área de arborização pública, que tem uma postura tecnocrática mas não poderia atuar sem um plano municipal  envolvendo moradores e critérios da biodiversidade.

Mas voltando à polêmica criada pelo artigo, a Vila Argos deve ser inteiramente alvo de um tombamento especial em suas duas áreas (algo que desde os debates de criação do conselho de patrimônio, nos anos 1980, não conseguiram criar mais do que um bem tombado na cidade - e isso porque a iniciativa veio dos proprietários, a Fazenda Ermida - em quase 30 anos).

Jundiahy do passado, do futuro e de agora.

Que o debate continue de alguma forma na cidade.


 
contato@jundiahy.com.br

Museu  brasao_jundPernamb
  Site Map