LARGO DO CEMITÉRIO



 

Durante os séculos XVII, XVIII e XIX os enterros de Jundiaí eram feitos dentro das igrejas ou ao redor delas, de acordo com a fraternidade ou, por assim dizer, a casta social dos indivíduos. Depois de experiências chamadas de “cemitério da fábrica” no Largo São José ou de um “cemitério dos bexinguentos” do outro lado do córrego do Mato, em 1860 foi aberto o Cemitério Nossa Senhora do Desterro em área então ainda bastante rural, doada de acordo com pesquisas de Vania Feitosa pelos beneditinos.

 

Mas essa área também abrigou outros marcos da cidade como o primeiro estádio do Paulista Futebol Clube, de sua fundação em 1909 (ainda como Jundiahy Foot Ball Club) até a construção do Estádio Jayme Cintra na década de 1950.

 

Uma das atrações do local é a monumental Estação de Tratamento de Água (rua Campos Salles, 450), com sua fachada original nos fundos do atual Velório Municipal.

 

Outra atração, com vista para esse cenário, é a tradicional Panificadora Keli (rua Campos Salles, 516).

 

Ainda dentro desse contexto está a antiga e suspensa Caixa D´Água (praça Luiz Gonzaga Barbosa, s/n), bem em frente ao próprio cemitério.

 

Curiosamente, uma das principais atrações é o Cemitério Nossa Senhora do Desterro (avenida Henrique Andrés, 360). Nele estão figuras de culto popular na cidade como os jazigos do médico italiano Domingos Anastácio, da história romântica de Leonardo Cavalcanti, dos mortos da primeira greve operária do Brasil em 1906 (Ernesto Gould e Manoel Diaz), da figura popular de Maria dos Pacotes, do ex-prefeito Manoel Annibal Marcondes (assassinado em 1943 por um tenente do Exército), além de imigrantes, autoridades antigas e famílias em geral.

 

Bem próxima está também o antigo conjunto de casas operárias da Companhia Paulista, a Vila Torres Neves (lado interno das ruas Visconde de Mauá e França, entre as ruas Benjamin Constant e Henrique Andrés). Apesar de muitas fachadas descaracterizadas, guarda a volumetria do início do século XX.

 

Na primavera-verão, a área também conta com a atração visual do “Corredor Verde” formado pelas árvores na rua Anchieta. Nela está o restaurante Bamboo (rua Anchieta, 679).

 

Faz ligação com as regiões da Ponte de Campinas pela avenida Antonio Segre, Rangel Pestana ou Bandeirantes, do Largo do Chafariz pela rua Benjamin Constant ou Henrique Andrés e do Largo das Rosas pelas ruas Campos Salles ou Luiz Rosa.

 
 
contato@jundiahy.com.br

Museu  brasao_jundPernamb
  Site Map